single-post

Dez deputados da ALERJ presos nesta quinta

7 dias atrás - Em: 08/11/2018 10:34


André Corrêa (DEM), Coronel Jairo (Solidariedade), Luiz Martins (PDT), Chiquinho da Mangueira (PSC), Marcelo Simão (PP), Marcos Abrahão (Avante) e Marcos Vinícius Vasconcelos Ferreira, o Neskau (PTB).

A Polícia Federal deflagrou, nesta quinta-feira, operação para investigar organização criminosa liderada pelo ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral suspeita de pagar propinas mensais a deputados estaduais em troca de apoio na Assembleia Legislativa do Estado, tendo 10 parlamentares como alvos de mandados de prisão.

A chamada operação Furna da Onça apura esquema de corrupção, lavagem de dinheiro e loteamento de cargos, principalmente no Detran do Rio de Janeiro, informaram a PF e o MPF em nota.

A ação, um desdobramento da operação Cadeia Velha, conta com 200 policiais federais, 35 membros do Ministério Público Federal (MPF) e 10 auditores da Receita para cumprir 22 mandados de prisão e 47 de busca e apreensão. Dos mandados de prisão, 10 são contra deputados da Alerj.

“Eles são suspeitos de usarem a Alerj a serviço de interesses da organização criminosa do ex-governador Sérgio Cabral (MDB), que em troca pagava propina mensal durante seu segundo mandato (2011-14). De acordo com as investigações, a propina resultava do sobrepreço de contratos estaduais e federais”, informou o MPF.

Além do dinheiro, os investigados também eram beneficiados com o loteamento de cargos em diversos órgãos públicos do Estado, segundo as autoridades. Os ex-presidentes da Alerj Jorge Picciani e Paulo Melo, ambos também do MDB e presos um ano atrás na operação Cadeia Velha, também comandavam a organização, afirmou a PF.

Sérgio Cabral está preso desde 2016 condenado em diversas ações, que somam mais de 100 anos de prisão.

O nome da operação desta quinta-feira faz referência a uma sala localizada ao lado do plenário da Alerj onde deputados se reúnem para ter conversas reservadas antes das votações, de acordo com a PF.

Reuters